BETTY NEUMAN MODELO DE SISTEMAS PDF

Se basan en las relaciones entre las personas. Dicho cambio puede predecirse y ocurre en unas determinadas fases o etapas. El principal objetivo del modelo es potenciar el crecimiento personal del individuo. Necesidad de seguridad. Necesidad de amor y pertenencia.

Author:Gurr Vudogrel
Country:Sudan
Language:English (Spanish)
Genre:Life
Published (Last):26 November 2010
Pages:152
PDF File Size:14.15 Mb
ePub File Size:16.66 Mb
ISBN:213-6-25154-133-6
Downloads:59984
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Tygokora



As enfermeiras devem possuir conhecimentos sistemticos com a finalidade de avaliar as necessidades de ajuda da pessoa, formular um diagnstico de enfermagem e planificar uma interveno. O cuidado um processo humanitrio e no mecnico. Baseada no contexto da orientao da abertura para o mundo e no paradigma da transformao. A escola do ser humano unitrio considera um processo de trocas contnuo, na qual a pessoa e o enfermeiro so colaboradores, e a prpria pessoa quem decide o rumo das trocas.

A sade a realizao contnua de uma pessoa como ser humano unitrio, e a enfermagem est integrada na sade e faz parte do processo da expanso da conscincia. Tericos orientados para os sistemas: Sugerem que o homem composto de muitas partes ou subsistemas que, quando juntos, so mais diferentes do que sua soma.

Ambiente: condies externas capazes de prevenir, suprimir ou contribuir para as doenas e a morte. Enfermagem: modificar os aspectos no saudveis do ambiente a fim de colocar o paciente na melhor condio para ao da natureza. Nightingale tende a dedicar maior nfase ao ambiente fsico do que aos ambientes psicolgico e social embora estes aspectos sejam englobados pelo primeiro.

Esta tendncia pode ser melhor compreendida ao considerar-se o contexto no qual Florence deu incio sua atuao como enfermeira, que envolvia o perodo inicial da industrializao na Inglaterra e os campos de Guerra da Crimia onde as pssimas condies de saneamento ambiental e a promiscuidade em que se encontravam os pacientes nos hospitais resultavam em altas taxas de mortalidade, exigindo ateno imediata e constante.

O meio ambiente engloba os elementos externos ao paciente que afetam a sade do mesmo e o processo de cura. Dentre estes elementos, segundo Florence, destacam-se os que se seguem: Ventilao: proviso de ar fresco, sem correntes de ar. Florence dizia que conservar o ar que o paciente respira to puro quanto o ar exterior, sem deix-lo sentir frio.

Iluminao: os doentes tm, depois do ar puro, a necessidade de iluminao, e no apenas a claridade que desejam, mas a luz solar direta. Calor: a enfermeira deve observar atentamente o paciente a fim de evitar que ele se resfrie, prevenindo a perda de calor vital, essencial recuperao.

Limpeza: refere-se ao ambiente, pois, um quarto sujo fonte certa de infeces, ao paciente, de quem a higiene cuidadosa remove matrias nocivas do sistema. Alm de proporcionar alvio e conforto, enfermeira, que deve estar sempre limpa e deve ter o cuidado de lavar as mos frequentemente durante o dia. Rudos: elemento ambiental para o qual a enfermeira deve estar atenta e qualquer sacrifcio vlido para assegurar o silncio, pois nem um bom arejamento, nem uma boa assistncia sero benficos para o doente, sem o necessrio silncio.

Odores: o odor resultante da doena deve ser removido do corpo. Ao ventilar-se o quarto do doente, deve-se evitar o ar proveniente de esgoto; os utenslios de quarto devem ser mantidos limpos, livres de odores e guardados em local apropriado.

Alimentao: essencial ao processo de cura, deve ser minuciosamente observada pela enfermeira. No que se refere ao ambiente psicolgico, Florence reconhece que um ambiente negativo pode resultar em estresse fsico, afetando emocionalmente o paciente.

Para evita-lo, recomenda que se oferea ao paciente uma variedade de atividades para manter sua mente estimulada, enfatizando a necessidade de comunicar-se com ele, dispensando-lhe ateno, evitando interrupes e tratando de assuntos agradveis, evitando encorajar falsas esperanas. Neste contexto, para Florence, a Enfermagem focaliza sua ateno no uso apropriado de ar puro, iluminao, aquecimento, limpeza, silncio e seleo adequada tanto da dieta quanto da maneira de servi-la, tudo com um mnimo de dispndio da capacidade vital do paciente.

Florence descreve dois tipos de enfermagem: Enfermagem da sade: requer algum ensino prtico e tem por objetivo a preveno de doenas e pode ser praticada por todas as mulheres.

Enfermagem da doena: arte e cincia que requer uma educao formal, organizada e cientfica para cuidar dos que sofrem com a doena. O papel da Enfermeira seria o de ajudar o doente a manter suas foras vitais a fim de prevenir a doena, resistir a ela ou recuperar-se dela. A sade surge, neste contexto, como resultante da interao de fatores ambientais, de modo que Florence a considera no apenas como o contrrio da doena.

O ser humano considerado por Florence como beneficirio maior das atividades de Enfermagem. Ela considera que o ser humano tem habilidade e responsabilidade de alterar sua situao existencial. Florence visualiza os conceitos principais da seguinte maneira: Ser humano ou indivduo: a pessoa com as foras vitais restauradoras para manejar a doena. Enfermagem: com a funo de colocar o indivduo nas melhores condies para a natureza agir, o que seria obtido basicamente pela ao sobre o ambiente.

Ambiente: elementos externos pessoa e que afetam tanto a sade do doente quanto pessoa saudvel. Florence Nightingale no utilizava a terminologia Processo de Enfermagem, hoje empregada.

Mas valorizava prticas tais como: a observao, a experincia e o registro de dados fundamentais para o desenvolvimento de uma metodologia de trabalho que acentue a possibilidade de resoluo. Homem: indivduo que luta para reduzir a tenso gerada pelas necessidades. Sade: um smbolo que implica movimentos adiante da personalidade e outros processos humanos em curso, na direo de uma vida criativa, produtiva, pessoal e comunitria.

Ambiente: considera cultura e costumes do cliente no ambiente hospitalar. Enfermagem: processo interpessoal, significativo e teraputico, onde o enfermeiro capaz de reconhecer a necessidade de ajudar o cliente a reagir a ela. O trabalho da enfermeira norte-americana Hildegard Peplau, voltado aos conceitos interpessoais, parece-nos mais atual do que nunca.

No seu livro, publicado em , no qual discute o relacionamento interpessoal, a autora traz at ns um ponto emergente no cuidado de enfermagem a importncia e a valorao do estabelecimento de uma interao efetiva entre enfermeiro e cliente no contexto do cuidado de enfermagem. Essa teoria tem como foco central o processo interpessoal, que a fora amadurecida para o desenvolvimento da personalidade.

Alm dos conceitos supracitados, Peplau inseriu em sua teoria os conceitos especficos relacionados com o seu foco central, os quais so: necessidades, frustrao, conflito e a ansiedade. A ansiedade um dos mais utilizados na prtica profissional e, principalmente, na pesquisa. Uma caracterstica interessante na teoria de Peplau a valorizao do enfermeiro, seja por meio de si mesmo, ou como agente teraputico que encontra na relao pessoa-pessoa, ou ainda como caminho para a soluo de problemas, podemos perceber que a teoria de Peplau no adequada apenas rea de enfermagem psiquitrica, pelo contrrio, encontramos em seus conceitos fortes subsdios que podem nos nortear em inmeras situaes clnicas, tanto no ambiente hospitalar, como no atendimento ambulatorial.

Qualquer que seja o mbito de atuao do enfermeiro relacionar-se com o cliente atravs de interaes individuais em um processo interpessoal, determina a necessidade da utilizao de um alicerce terico fundamentado no interacionismo, na fenomenologia, no existencialismo filosfico e no humanismo. Todas as pessoas, tem necessidades fsicas, emocionais ou sociolgicas. Essas necessidades podem evidentemente, interferir junto ao paciente e quando no observadas de forma correta, perdidas ou simplesmente no percebidas, interferem no processo de melhora do doente.

O paciente descrito como a nica justificao para a existncia da enfermagem. Os indivduos e familiares, so os destinatrios da enfermagem e da sade, ou a realizao do mesmo, ou seja, a finalidade dos servios de enfermagem. Sade: Abdellah, desenvolve o conceito de sade como uma estrutura dinmica de funcionamento em que existe uma interao continua com foras internas e externas que resulta na utilizao otimizada dos recursos necessrios que servem para minimizar vulnerabilidades.

A nfase deve ser colocada sobre a preveno e a reabilitao com bem estar como um objetivo da vida. A abordagem holstica deve ser levada pela enfermeira para ajudar o cliente a atingir o estado de sade. No entanto, a fim de efetivamente prestar esses servios, o enfermeiro deve identificar com preciso as carncias ou dficits em relao a sade que o cliente esta experimentando. Estas faltas ou dficits so as necessidades do cliente de sade. Apesar de Abdellah no da uma definio de sade, ela fala de necessidades de sade total e estado saudvel da mente e do corpo, em sua descrio da enfermagem como um servio completo.

Ambiente e sociedade: O ambiente definido por Abdellah como a casa ou a comunidade de que o paciente vem. A sociedade esta includa no planejamento para uma tima sade em nvel local, estadual, nacional e internacional.

A enfermagem um servio aos indivduos, as famlias, e portanto a sociedade. O objetivo da enfermagem de acordo com Abdellah tratar o individuo de forma holstica ou seja analisar o individuo na sua essncia, fsica, emocional, funcionamento intelectual, social e espiritual. Ela afirmou que a enfermagem baseado em uma arte e cincia que molda as atitudes, competncias intelectuais e habilidades tcnicas do individuo.

Portanto a funo da enfermagem e o desejo e a capacidade de ajudar as pessoas, doentes bem como lidar com suas necessidades. Isto tudo significaria um servio completo de enfermagem junto claro aos 21 problemas que a enfermagem deva lidar.

O cuidado da enfermagem segundo abdellah deve fornecer informaes para a pessoa sempre com objetivos a atender as necessidades do paciente, aumentar ou restaurar a capacidade de autoajuda, aliviando assim o prejuzo e danos.

Sua teoria tambm priva por um enfermeiro que venha ter conhecimento da cincia bsica e as habilidades especificas da rea, bem como tcnicas de conhecimento nas relaes com reas concomitantes como: comunicao, psicologia, sociologia, crescimento e desenvolvimento interpessoal. Sendo assim, intrnseco do enfermeiro 11 requisitos bsicos, como: Observao do estado de sade; Habilidades de comunicao; Ensino de pacientes e famlia; Planejamento e organizao do trabalho; Uso de recursos materiais; A utilizao de recursos humanos; Resoluo de problemas; Direo do trabalho como um todo; Uso teraputico de autoajuda; Conhecimento dos procedimentos da enfermagem.

Faye props um quadro classificatrio com os problemas da enfermagem, identificando, com base na ideia de uma enfermagem voltada a atender as necessidades do individuo no seu todo. Seu esforo maior esta em diferenciar a enfermagem da medicina e a orientao da doena.

Sua teoria aborda as aes centrada no paciente, que foi desenvolvido a partir de suas praticas durante a sua vida toda, considerada uma das teorias das necessidades humanas.

Apesar de ter sido com a finalidade de orientar para cuidados daqueles que esto no hospital, tambm tem sua segmentao e aplicao para a assistncia da enfermagem na comunidade. Abdellah quer promover uma enfermagem no apenas carinhosa e bondosa, todavia, que tenha inteligncia, competncias e tecnicamente esteja preparada para prestar o atendimento ideal ao paciente.

Pessoa: qualquer individuo que est recebendo ajuda cuidado, orientaes, instrues de um membro da profisso de sade ou de um trabalhador do campo da sade. Enfermagem: O enfermeiro um ser humano funcional que age, pensa, e sente.

Todas as aes, pensamentos e sentimentos esto subjacentes ao que o enfermeiro faz. Pessoa: individuo que necessita de assistncia para obter a sade e a independncia ou uma morte tranqila. A mente e o corpo so inseparveis. Ambiente: todas as condies externas e influencias que afetam a vida e o desenvolvimento.

Sade: equalizada com a independncia, vista em termos da habilidade do cliente em realizar os 14 componentes de enfermagem sem ajuda: respirao, alimentao, hidratao, manuteno do conforto, sono, repouso, vestimenta, manuteno da temperatura corporal, garantia da segurana, comunicao, valorao, trabalho, recreao e desenvolvimento continuado. Enfermagem: ajuda e apia o individuo nas atividades da vida e na obteno da independncia. A teoria do conforto teoria de mdio alcance para a prtica de sade, educao e pesquisa.

No inicio do sculo XX , o conforto era a meta central da enfermagem e medicina. Conforto foi a primeira reflexo do enfermeiro. Kolcaba descreveu conforto em trs formas: Alvio.

EVANGELISMO DINAMICO LUISA WALKER PDF

Evolucion Teorica De Enfermeria.pdf

.

HARAPPAN CIVILIZATION IN PDF

Betty Neuman: Biografía y Teoría

.

Related Articles